sexta-feira, 29 de novembro de 2013

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

corar

a nação como uma mulher - uma mulher recatada que cora de pudor a cada vez que aqueles que estão encarregues de lhe tratar da saúde lhe dizem que tem de se despir. e depois como se fossem, e são, estranhos a mexerem-lhe nas pudendas não tocam ao de leve nas frutas: descascam-lhes a pele, manuseiam a polpa e vão até às pevides e caroços. se a nação fosse uma mulher estaria corada e encolhida de vergonha depois de uma citologia vaginal bem demorada.

é recebê-lo. e recebê-lo bem.

não sei se percebi bem mas acho que quando o frio aperta muito, assim como quem quer estrangular-nos de abraço mimoso porém fundo, é porque veio para ficar. pelo menos por uma temporada.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

nada é por acaso, meu amor. ou acaso alguma vez sentiste que seriamos um caso ao acaso?

da pereira

gostei dele, confesso que só percebi ser um homem quando se referiu à sua mulher como patroa, nunca o tinha visto aqui na rua. pudera!, acabou por me dizer que está há quarenta anos em França e que já chegou para o Natal. o Natal chega cedo, traz as pessoas de volta à terra, junta-as à família sempre ausente e arreganha-lhes o gosto pelos doces e pela mesa farta. mas eu gostei dele foi por conta do orgulho e do brilho que me mandou contra a cara quando disse que morava na casa da pereira, aquela árvore que dá pêras, sabe?, que era o dono da pereira e que na casa da França, que é grande e com quintal, não tem pereiras sendo esta a casa da pereira a sua casa. falar de uma pereira como algo valioso é motivo para ser gostável. e já combinamos: vamos ver-nos na rua até final de Dezembro. mas com um casaco mais quentinho e um gorro nos cabelos branquinhos Senhor, não Pereira, da pereira - pedi-lhe.

abbante! abb(r)am alas! deixem abbanar!

quem me dera que eles voltassem a pisar palcos e a gravar e a espalhar alegria por todo o lado.


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

meninos homens:

toca a apalpá-los em condições...

velhos d'amar

Velhice - o que é, afinal, a velhice?-, aquele estado de caminhar sem parar mesmo quando os passos ficam mais lentos e curvados e tremidos. A velhice apresenta-se, na modernidade, como condição menor apesar de atingir a maior idade. E tem vindo a crescer o número de velhos ou, melhor, a esperança média de vida. Se assim é, se vemos a vida a aumentar porquê que não damos mais, àqueles que são os que sabem mais da vida, aos velhos?

A Velhice e o estigma da palavra

Há uma conotação absolutamente negativa associada a velhos e a velhice - as palavras são usadas para designar inutilidade ou fedor e, talvez por isso, já se considera tremendamente cruel pronunciá-las. Os velhos são velhos. As árvores grandes e grossas também são velhas. As nações são velhas. O pai natal é velho. A calçada portuguesa é velha. Sim, eu sei, é por isso que os velhos vão para os lares e as árvores são para fazer papel e as nações são para aguerrir e o pai natal é para mentir e a calçada portuguesa é para substituir. São o caralho! Sim, ouviu mesmo bem: são o ca-ra-lho. Os velhos, a velhice, são para amar - por isso a vida tem dado cada vez mais esperança à vida (não sei se percebeu que se está prestes a fazer quarenta anos já está na meia idade); os velhos são a frequência acumulada de sabedoria naquilo que é o gráfico da vida. Entende que a velhice não é para viver só nem em simulações rascas, lares, daquilo que deve ser um lar? Vá já imediatamente buscar o velho que tem na sua vida e ame-o. Já! Amar a velhice quer simplesmente dizer atenção, paciência, resiliência - quando dá conta está a amar, a preencher a vida de alguém que já em muito preencheu a sua (a sua que provavelmente vai continuar depois de a outra deixar de viver).

Repare como acontece tudo

Aquela árvore de camélias que está no quintal sabe de tudo e é por isso que continua naquilo que é o viço das flores e das cores; As nações têm vindo a aprender que o respeito pela Cidade, que é liberdade e democracia, é o que as faz viver; O pai natal, esse barbudo antigo, existe mesmo, não é mentira, representa o cheiro bondoso do avô (ou vai dizer que os avós morrem?). E a calçada portuguesa, aquela pedra de tempo pisada tão linda, é para manter e prender os bicos dos tacões no encanto - ou prefere cascalho batido sem fado e poesia a cada canto?
O que é velho é bom. E velho é, sim, uma palavra magnífica de dizer por ser também de viver. A velhice colecciona tempo contado a viço de Homem honrado - ou então encontra no viço passageiro a alegria de um sorriso inteiro (e mesmo que seja sem dentes, sim).
Estamos, então, entendidos: a velhice serve para ser amada. Ou pense em como a vida se prolonga.
e depois há os vales dos dias nos dias, os dias também têm montes e planaltos, porque os dias só são dias por serem vales de ti.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

tens de experimentar

isto. tão lindo.

Olaias

afinal o Tomás Taveira também sabe dar beleza de dianteira.

Emprego: dedicação proporcional, de dois sentidos, materializada em valor pecuniário

Emprego, desemprego, quase-emprego, estigma impregnado. Sim, eu sei, é nas alturas difíceis que damos conta das palavras - o que significam e o que valem. Podemos até dizer que se abre um dicionário a cada momento difícil da vida. Duvida?

Emprego começa na mentalidade do indivíduo

Emprego e emprego de palavras. Comecemos por analisar as mentalidades na lógica do empregador perfeito: aquele que quer dar emprego - dar oportunidade a alguém para se dedicar durante um número de horas determinado a uma ou várias tarefas - quer obter como resultado, isso mesmo, dedicação à qual atribui valor pecuniário. Na mentalidade lógica do empregado perfeito este último quer dar igualmente - dar a dedicação imprescindível à(s) tarefa(s) que lhe são atribuídas pelo empregador mediante um valor remunerativo, o tal apuro que é dedicação do empregador. Mas o que acontece na realidade, e sem perfeição, é que tanto o empregador como o empregado entram em uma espiral - não de dar - de receber. De receber dinheiro sem dedicação e, desta feita, valor - merecimento, talento - associado. E o emprego torna-se, assim, em um negócio, uma transacção meramente comercial.

A esta altura, já abriu o dicionário?

Às tantas ainda não: está farto de ouvir falar em (des)emprego e toda a gente sabe o que é desemprego - desemprego é o parente mais próximo ou o primo mais afastado ou o vizinho do 4º direito ou o amigo de infância que toda a gente tem. Mas e se o desemprego for você, já está com vontade agora de vestir e despir palavras? Vamos ver as coisas assim: você anda à procura de uma empresa à qual se quer dedicar e não há quem queira deixá-lo dedicar-se. Isto, sem dúvida, torna o assunto mais leve de carregar mas mais pesado de digerir porque enfatiza precisamente o fundo da questão do emprego e do desemprego. Nos nossos dias, nestes em que eu e você vivemos, o valor está fora de moda e é descartável. O dinheiro não. O dinheiro apresenta-se como o mais importante de tudo e mais que todos. Por exemplo as situações de quase-emprego, que são aquelas em que o empregador se sente tentado em deixar alguém dedicar-se mas ao mesmo tempo lembra-se de que a dedicação tem também - em termos profissionais - um valor numérico associado exigível pelo quase-empregado, o processo aborta: aborta porque o quase - empregado lembra-se que precisa de comer e de pagar as contas, que o empregador esquece, do viver. E andamos, estigma impregnado de lógica imperfeita de puré, nisto.

Passe-vite: a realidade do emprego passada

Como se a realidade do emprego fosse, e é, passada a passe-vite de euros cerca de um milhão de pessoas é obrigado a odiar o dicionário por conta de o viver não esperar. Porque o viver também morre sem o pragmatismo dos euros na significância do dicionário. (Não deixa de ser uma bela de uma tristeza verdadeira, isso não.) Então e o governo pestilento do Coelho e as variantes endógenas e exógenas à economia? Não quero, não me apetece falar disso porque estou cansada de ser obrigada a cheirar merda. Apetece-me inserir o (des)emprego na lógica do dicionário, já disse. E consolar-me, dedicada, a ver a minha dedicação a ficar.

inteiro

são as quatro estações de ti que te fazem um ano inteiro - és um Vivaldi, amor.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

domingo, 17 de novembro de 2013

se és pérgula e eu trepadeira
está tudo em harmonia
uma espécie de tremoços com chá
e fermento

ainda bem

que piquei o António Eça de Queiroz a pontos de ele me encaminhar para a versão digital do seu livro - está a ser uma maravilha descobrir não só detalhes da vida do Eça bisavô, e das suas personagens, como também a narrativa do Eça bisneto - o nosso Eça d'agora. afinal de letras, o realismo que se preza - aquela astúcia fotográfica - estás-lhes no sangue.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

vê lá se descobres as mesmas semelhanças que eu

este é herói por ter sido patrocinado a parecer enquanto estoutro será julgado pelo crime se de auto-patrocinar, igualmente, ao parecer. bem visto, a sociedade descobre lições de vida promovendo - não o ser - o parecer. miséria.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

dar pérolas a porcos

sentirmos, e por isso mesmo pararmos para bem pensar nisso, que somos pérolas para porcos é muito, imensamente, bom: permite-nos concluir que não deixaremos de ser pérolas nem os porcos de existir - antes o verbo dar será finalmente feliz - o que significa a salvaguarda das pérolas perante os porcos. as pérolas querem-se viçosas no luxo que são. simples e elementar.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

a direita comunista

a violação dos direitos humanos na Coreia do Norte, pelos direitos civis e políticos - mais concretamente pelo direito à vida, à propriedade e à liberdade de expressão e pensamento e crença resulta de um regime tarado até à morte. e isto faz pensar na violação dos direitos humanos aqui pertinho, na nossa terra, pelos direitos sociais, económicos e culturais: o direito ao trabalho, à educação, à saúde, à previdência social - tudo sob a égide da fraternidade, aquela coisa tripé de igualdade e liberdade e progresso. ora se este caralho deste governo não é, ao estilo do que conta a história dos direitos humanos, comunista mascarado eu vou ali e já venho.

tristeza

a natureza zanga-se com o Homem. e desta vez foi violentíssima com o povo Filipino, talvez uma chamada de atenção aos abusos da Humanidade, mas podia ser com outro e de outra forma. é preciso perceber os sinais. é preciso que o Homem ouça a mãe e páre. ou no mundo nada mais restará do que tristeza de nem sequer haver tristeza.

domingo, 10 de novembro de 2013

amor et tussis non celantur

descobri que o amor, nascido em Lácio, é latim até hoje. que maravilha. ao contrário da tosse, que era bem mais gira tussis. mas o que interessa mesmo é que o amor e a tosse não se escondem.

sábado, 9 de novembro de 2013

não é de intervenção, não entra.

se a arte não tiver um propósito de intervenção nem sequer, não havendo motivo para existir, é arte. é como o amor: o amor existe para despertar, ou fazer crescer, o melhor que há em cada um - e no mundo.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

de mim para mim

(o FB disse-me literalmente que vai bloquear-me durante dois dias, logo a mim que sou tão pouco assídua e só faço uso dele para o que acrescenta valor, por deixá-lo confuso. estará o FB, esse machista que não admite astúcia acima da dele, a apaixonar-se por mim? quero dizer, não é isso que fazem os estúpidos por estarem convencidos que agir estupidamente é a melhor forma de lidar com quem lhes arranha as entranhas? era por isso que as princesas ficavam presas nos castelos medievais: porque se saíssem geravam confusão. e a confusão, já se sabe, é o mal de todos os estúpidos que fazem questão de não deixar de o ser.)

de mim para mim

(quando as pessoas conseguem mostrar-se, e ser, insensíveis perante outras - outras que são mais do que gente - significa que estão a deixar de ser gente. e não é não ser gente a aspiração de qualquer senhor, com muito sucesso, que se preze?)

domingo, 3 de novembro de 2013

as vacas das mães

não sei se há algum estudo e também nem me apetece saber, pelo menos hoje, mas no que tenho visto, nos últimos anos, os bebés nascem cada vez mais minguados e magros - parecem gatos sumidos. a causa estará, pelo que tenho observado, no cuidado e tempo e atenção que as mulheres portuguesas dispensam com o cliché do não engordar. passam a gravidez a pensar na linha e depois os bebés nascem, de uma fragilidade que até mete dó, o leite delas serve para dar de beber aos porcos com sede, ougados até mais não, e elas continuam só a pensar em como vão perder os quilos que ganharam. deve ser por isso que depois há tanta criancinha obesa - entra o leite da vaca para compensar aquilo que o leite materno, da vaca da mãe, não deu nem saciou.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013