terça-feira, 30 de julho de 2013

há que tempos não ouvia, que tanto gosto, isto:


ejácular


arroz




para tudo. antes de mais, claro, para comer: carolino, agulha ou vaporizado, sequinho ou molhado, simples ou acompanhado faz as delícias de qualquer boca - digo boca e não estômago porque é ela - e não ele - quem faz a primeira triagem, não gosta não entra. mas depois, tem muitas outras utilidades que não a tradicional guarnição. há quem diga que cozido em água e tomado em jejum previne muitas doenças - desta forma também é possível, mas isso é de conhecimento comum, travar caganeiras; aquela garrafa de formas manhosas está suja? pois duas colheres de arroz, água bem quente e umas abanadelas vai resolver a questão; e aquele telefone, ou rádio, que caiu na água? é desmontar e colocar em um recipiente coberto de arroz e esperar pelo dia seguinte - fica tudo sequinho e de novo a funcionar. já agora, nota-se alguma colagem no recipiente onde está o sal? pois. com uns grãos de arroz ele solta-se, salvo-seja, todo e não fica com aquele aspecto de papos; é isso e a fruta verde. as bananas, por exemplo, por vezes estão que nem se pode e a vontade delas não apetece esperar muito - basta colocá-las cobertas em arroz e num instante amadurecem. mas a minha utilidade preferida, depois de ser petisco, do arroz vai para o frio. o frio? sim, o frio: enche-se uma meia grande, isto para quem tiver preguiça de fazer de um pano grosso saco porque é preciso coser, com arroz, dá-se um nó e microondas com ela. depois é só usá-la bem próxima dos pés ou daquilo que é para aquecer.

é verdade: arroz para isto, arroz para aquilo, arroz para tudo!

segunda-feira, 29 de julho de 2013

simples

like a lunatic

um vídeo que faz cheirar

se as cadeias de fast food tivessem o azar de este vídeo passar em telinhas gigantes mesmo próximas aos estabelecimentos, estavam quilhadas: é violento e nojento e intenso e irritante. dá para sentir, inclusive, o cheiro nauseabundo a carne crua.

aos mais limitadinhos

o nome deste blogue, tal como está, surgiu depois de eu ler o ruínas circulares em este suporte digital como se fosse um livro: depois de ler o último, o meu último, texto do João Pedro da Costa surgiu na minha cabeça, em forma de relâmpago, uma iluminação que misteriosamente me fez associar o nome que viria a ser o deste blogue ao meu blogue. portanto, limitadinhos, não. não se trata de um termómetro e nada tem que ver com temperaturas. como é óbvio, ou talvez eu julgue que deveria ser, há uma narrativa por detrás do que à primeira leitura, pelos vistos, parece relacionar-se com medição de temperaturas. está bem, estou habituada a que me digam arrogante. pois que seja, então, a arrogância pode bem ser um estado de alma divertido quando corresponde à certezinha do que não, de todo, se quer. 

termo ao milímetro veio, então, sem pedir licença, arrogante - lá está - à minha cabeça e ali ficou a masturbar-me o cérebro até conseguir instalar-se sem qualquer volta a dar: trata-se, pois claro, de significado e de significância. e quem não estiver bem que avance. andor.

domingo, 28 de julho de 2013

tendência para o FB' fluxo:

estão na cama e ele pergunta-lhe: estás a gostar? imediatamente antes de responder, ela pega no blackberry, entusiasmo de brilho nos olhos, e escreve assim no FB: estou a adorar, Nando, dás-me imenso prazer! e só quando caírem mais do que cinco likes ela, sorridente, abana-lhe simplesmente com a cabeça.


sexta-feira, 26 de julho de 2013

^

há dois séculos atrás, atrás já é pleonasmo, não será bem assim porque este século ainda mal começou, dá mais a ideia de ter sido há muito, muito, tempo, como nas histórias e gosto mais. ponto. há dois séculos, quase na última década do século dezanove, escrevia-se amor com chapéu: amôr. e devia continuar a ser assim já que a fonética e o sentir assim o exigem - o amor sem o chapéu de carregamento no ó não faz tanto sentido. aliás, o amor quer-se tão sentido quanto pronunciado, certo? então, a partir d'hoje e aqui nesta casa, é irrevogável, amôr será sempre carregado e ao estilo antigo.

Comédia Portuguesa

curiosidade em bicos de pés, a minha, para saber sobre La Cage Dorée - que estreia por cá daqui a nada - fui dar ao século dezanove, não poderia ter batido em melhor, à Comedia Portuguezachronica semanal de costumes, casos, politica, artes e lettras  e desatei a explorar a primeira, de 6 de outubro, de 1888.

note-se a actualidade desta nota introdutória ao leitor:

"critica, perfeitamente imparcial, sem peias e sem atrevimentos que melindrem a liberdade de cada um, na esphera d'acção que lhe pertence, a critica que não aspira á gargalhada ruidosa, nem pela insolencia do desenho, nem pelo torpe do assumpto, nem pelo desbragado da linguagem, mas a critica moralisadora e fecunda, não menos cruel, por delicada, é a que nos propomos fazer de todos os assumptos - politica, arte sciencia, costumes - da sociedade portuguesa - não só analysando o seu viver de dia a dia, mas consagrando numeros especiaes, ás suas instituições, escolas, museus, theatros, fôro, camaras; como a collectividades - os medicos, o clero, os actores, advogados, et coetera.
tal é rapidamente ennunciado, o nosso programma e garantimos que elle não terá a graciosa propriedade de ser apenas amontoado de palavras, sem importancia, com os programmas politicos da nossa terra.
ao arco! ao arco!



a redacção"


se não gostar do filme, não importa: já estou, ao contrário do que anunciavam, à gargalhada ruidosa, com certeza, com o que vou lendo nesta comedia portugueza escrita na luz de outro tempo e sendo tão, tão, atemporal. é que também há emigrantes dentro do próprio país e uma frança à espera em cada esquina.(este agora foi o meu contributo de ironia delicada que não se quer estridente) e há, sobretudo, esta expressão que estou a adorar, "adoraveis defeituosas". vou a mais.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

uma espécie de esperança invertida, gostosa.

da varanda da minha cidade

metanóia

impossível é não fazer uma reflexão sobre este texto.

e estúpidos são os que lhe chamam, à via do meio, a impossibilidade política prática, a tal atitude apolítica que é tão inverosímil como o ser independente: um paradoxo inultrapassável, já que a heurística – decorrente da experiência e cognição do cidadão – tende sempre para a esquerda ou para a direita, sustentam. na verdade a metanóia só cabe mesmo no meio por ser lá que avaliamos e sentimos – pensando -, e pensamos – sentindo-, e organizamos.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

terça-feira, 23 de julho de 2013

les soul men


geografia familiar

enquanto que no Reino Unido nasce mais um príncipe, na Alemanha crescem os pais tiranos - já em Portugal, reproduzem-se os filhos da puta.

lindo


ai quem me dera!

e Macau simplesmente ignora. acordo em potência é, bem visto, desacordo.


sábado, 20 de julho de 2013

hey!

tem setenta anos e vive, desde 1964, a dar-nos música. tem uma voz inconfundível, uma espécie de mel com canela, tal e qual como esta mistura fervida em água faz em jejum ao estômago, que me afina a alma. e não é só a onda de doçura e de romance - enriquecida pela língua soalheira que é a espanhola, que ele tem: carrega, igualmente, uma beleza masculina arrebatadora indissociável. nenhuma figura pública teve tanto encanto como ele - nem mesmo, em outra categoria, o Pierce Brosnan, homem igualmente esculpido a agulha de crochet.


a guitarra só pode ser mulher: enche de música a vida e faz-se em curvas de prazer.


fraquinho, fracote, fracasso, fra, f

não sei quem disse, e também não interessa nada, mas disse bem: é fraco todo aquele que precisa de humilhar para se sentir forte. o mundo está cheio de fracos - a começar por um governo que humilha uma nação inteira.


quinta-feira, 18 de julho de 2013

caralho!

Goethe também falou em "contar os ossos dos mortos" - o que o aproxima, muitíssimo, do que é abraçar um cadáver quanto a homenagens póstumas. abracem os vivos, caralho!

segunda-feira, 15 de julho de 2013

quando a morte é uma lufada de vida

faz-me confusão ver as viúvas de cara amarrada mas pomposas: passaram a garantir visita ao cabeleireiro todas as semanas, a usar saltos altos e a tingir a boca de vermelho-alívio. e faz-me confusão porque antes, antes deles morrerem, eram idosas conformadas a chinelos e picho. mas alguém as obrigava a estar com eles, pergunto. não: a prostituição caseira é sempre até que a morte os separe.

domingo, 14 de julho de 2013

einstein explica como é ser humano

aqui está a prova de que ter fé não é ser da religião. ou então que a religiosidade é apenas uma fé.

exaltação do canal da merda em que o país se tornou

vimos por este meio agradecer a sua candidatura. informamos, no entanto, que não foi seleccionada apesar de cumprir com todos os requisitos exigidos, pois estamos à procura de alguém recém-licenciado.

muito obrigada pelo contacto. resta-me dizer-lhes que um recém-licenciado cumpre apenas com o requisito académico e que ânus e ânus de experiência servem, neste caso, para vos mandar à merda.

cumprimentos,

Olinda de Freitas

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Sãozinha:


conclusão

"as boas cozinheiras francesas põem de quarentena, durante dez dias, os caracóis grandes da bourgogne, até ficarem limpos da sua baba. metem-nos, às centenas, em grandes cabazes de arama que suspendem numa trave. todos os dias lavam muito bem o cabaz, que entretanto cobriram com uma bola de mucosidades, e depois suspendem-no de novo. quando os caracóis expurgarem toda a baba é altura de os alimentar com ervas aromátcas. estão finalmente prontos para a cozedura"
(Diálogos no Purgatório com Jean Guitton)

o purgatório será maravilhoso na purificação espiritual, sim. mas só para quem não goste suficientemente dos seus defeitos para se separar deles.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

delicioso

dove sei, amor mio
ru

era bom

sentia-me uma personagem dos livros do Eça quando passávamos a temporada de verão no Douro, na Régua, em Tões, em uma das casas senhoriais da Tia, nunca percebi o grau de parentesco durante essa altura mas também não interessava por conta de ela ser uma senhora já sexagenária e divertidíssima, Filomena. a cama que escolhi para dormir desde a primeira vez tinha o colchão em palha e uma boneca das que eu gostava, as únicas, de trapos; os móveis faziam aqueles barulhos típicos do antigo e as paredes eram bordadas a tinta naqueles tectos imensamente altos e estampados em relevo. a sala de jantar, até hoje nunca mais vi uma sala assim, era tal e qual um salão de dança, cheio de janelas e de luz, chão de madeira, tábuas corridas, onde imaginava sempre ter sido pisado por moças de vestidos compridos e folhados que escondiam corpetes sensuais a apertarem nas costas com tiras de cetim. na cave, o local mais fresquinho e escuro da casa, eu não gostava muito de estar - cheirava ao vinho guardado e às pipas gordas que se misturavam com o azedo do mofo e da noite fingida. mas quando ia, fazia histórias de amores escondidos e desfeitos ali mesmo. depois cansava-me e queria ir fazer renda, aprender-lhe o pormenor e captar-lhe a paciência, antes de voar nos patins e sonhar de bicicleta e da apanha dos tremoços. ao domingo a Tia nunca me obrigou a ir à missa, nem ela nem o pai, - percebeu logo que eu gostava mesmo era de ficar no adro, sentada no cruzeiro a apreciar as poucas dezenas do povo da terra aperaltados com as melhores roupas: as mulheres com os pés a gritarem por socorro pelos sapatos, sempre novos, apertados e os homens, ar esganado, pinguços de suor, pelas camisas abotoadas até ao caroço. aquele Deus devia merecer tanto sacrifício, pensava eu. e entretanto, hora feliz, o cheiro do assado  a lenha no prelo já me chamava para eu ir aprender na alquimia da cozinha com a Tia. era bom.

sábado, 6 de julho de 2013

museu falológico

(foto sacada da net)


vi, tomei conhecimento, ontem pela primeira vez no canal TLC. não fiquei surpreendida pelo tema mas antes pela designação de museu pois nunca antes me ocorreu que, apesar de perfeitamente legítimo, alguém se lembrasse de coleccionar pénis. há-os para todos os tamanhos, larguras, espécies e formas, conservados em frascos ou secos ao ar - uma curiosidade de se ver na Islândia e que movimenta milhares de visitas por ano.

na verdade, a história antiga identifica a pila - chamemos-lhes pilas para nos sentirmos todos menos científicos e mais subjectivos - como sendo o sexo activo e verdadeiramente gerador de vida. Giulia Sissa «Il Corpo della Donna» explica isto muito bem: o macho fornece a forma e o princípio do movimento enquanto que a fêmea dá o corpo e a matéria. em um breve resumé, o fluido masculino que se mistura no sangue é o que dá a vida, a alma, ao invés do feminino que resulta em menstruação e serve para absolutamente nada. a mulher assume, bem visto, o papel da matéria, o ateliê onde tudo inicia e cresce e gera. interessante.

música e vida e viver

(fonte desconhecida)

esta imagem podia bem ser, e é, demonstração de vida: Burrhus Frederic Skinner, baseado nas descobertas de Pavlov, expandiu os estudos do behaviorismo Watsoniano que se baseiam no comportamento observável para a ideia de aprendizagem que se designa por vertente associativa (como mudança no comportamento manifesto). 

segundo ele, a resposta a um determinado estímulo é condicionada ou adquirida. desde então, a escola associativa entendeu que a associação entre um estímulo e uma resposta ocorre quando há conexão entre os dois e que a repetição dessa associação é fundamental para o processo de aprendizagem. 

o que é, senão composições associadas e repetidas e recomeçadas e re(i)novadas, música, a vida e viver?

sexta-feira, 5 de julho de 2013

quinta-feira, 4 de julho de 2013

a namorada do meu pai é uma ogre

cheguei a pensar, um dia, que ela seria diferente. e ao dizer diferente não quero dizer especial. não. ser especial já é muita fruta boa. diferente no sentido de o que considero normal para quem está em uma relação amorosa há muito tempo. cheguei, no entanto, à conclusão de que as mulheres e os homens estão cada vez mais iguais e sem idade no que concerne ao outro: querem passear e copular e pouco mais. e aos sessenta continuam a querer passear para ver se conseguem copular mais. aos setenta talvez queiram passear menos um pouco para conseguirem copular um pouquito mais mas vai dar ao mesmo: já se perdeu, ou vai se perdendo, vá, para não estar a acabar de vez com a esperança, aquela magia que traz o compromisso do sentir, do querer bem, do dormir melhor se o outro está mais feliz; aquela coisa da refeição cheia de poesia, bem confeccionada que alimenta o corpo que faz o amor, então, deu lugar à massa de atum e cogumelos enlatados; aquela coisa da conquista diária, do tu és valioso e por isso quero cuidar-te e estimar-te deve andar no cesto da roupa suja impregnado de meias enchulezadas. enfim. cheguei a pensar, um dia, que a namorada do meu pai seria diferente das outras que já teve, não especial, mais normal. mas hoje sei que a namorada do meu pai, a minha mãe há-de concordar comigo porque o amou até à morte, é uma ogre.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

lady godiva


(Lady Godiva de John Collierca 1897)
por ter acabado de ler algo que mencionava a lady godiva, lembrei-me disto: a nudez pode cegar tanto quem se despe como quem a aprecia. a nudez é, assim, nuinha e forte e recatada, como que exclusiva aos olhos que por ela querem cegar para verem cada vez mais. a nudez é complicada de tão simples.

(...)

(a experiência de perdermos tudo dá-nos a nítida noção de com quem podemos contar: ficamos surpreendidos com a capacidade de omissão dos outros. quando tudo temos e tudo damos ficamos com a casa cheia de amigos e de amigos de amigos que ligam a saber quando podem aparecer para uma tarde de sol no terraço ou para almoçar ou jantar petiscos e que também convidam para festas e passeios e para ajudarmos quando estão mal. depois, quando nada temos, conta-se pelos dedos de uma mão, e ainda assim ficam a sobrar, os que ligam só para saberem como estamos ou que aparecem para dar um abraço ou os que convidam para almoçar a um domingo. para festas então nem pensar - ninguém convida gente que tem nada para festas. e é esta a experiência mais enriquecedora de dor que ficamos a ganhar. está tudo bem, há-de passar, pensamos, convencemo-nos à força. é isto que é ser fino e delicado e gentil e amigo na Cidade: é fazer voluntariado para colocar no CV e omitir-se do amor com quem um dia, por ter tudo e não importar se a quem dava tinha, incondicionalmente amou.)