sábado, 31 de dezembro de 2011

invenções

é estranho pensar em anos velhos e anos novos. é quase como estar numa fronteira e perceber com minúcia o quê que pertence a quem quando os recursos naturais e humanos são os mesmos. chego à conclusão que tudo não passa de invenção: o ano novo começa no dia em que completamos mais um ano e o país começa no real choque cultural. e depois há o estigma da celebração estóica - ah, e tal, estou com gripe mas não posso faltar; não tenho dinheiro mas arranjo; a forma como se começa o ano, afirmam convictamente, determina-o inteiro. talvez um dos segredos da felicidade, estou a pensar, esteja nos balanços, não diários, anuais onde tudo se transforma em generalidades suaves dissolvidas em champagne. talvez as pessoas só se sintam felizes bêbedas e a pensar em coisas novas. talvez a vida, afinal, seja mesmo simples de tão previsivel e alienavelmente maravilhosa de tão líquida. ou talvez seja a ignorância a mais feliz - a que, não desconhecendo, não quer saber que ela sabe, para tantos e tantas vezes, ser puta - filha da vida.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

os velhos que contam histórias sem amor

o pai de uma amiga decidiu reunir amigos e eu, convidada, aguçei-me toda para ouvir contar, os mais velhos têm sempre tanto para dizer. tudo se paga nesta vida, dizia o mais velho que toma dezoito comprimidos logo de manhã para controlar o cérebro, todas as asneiras que por aí andei a fazer. o brasil é a minha paixão - e tem um filho em cada estado, rematava um outro. mulheres, jogo, bom vinho, mentiras, uma vida de vícios e de prazeres ilusórios e por isso decidi chamar-lhe, a ele, ao dono, comprador de afectos. depois havia outro, mais calado, mais tímido, que apenas engana duas mulheres - a com quem casou e a com quem faz promessas de casar logo após o divórcio. faz duas vidas numa só, gere o seu tempo e o delas com a mesma facilidade que gere a justiça em tribunal - chamei-lhe o engraxador de juízos. e depois tantos outros, tantas histórias rotas e esfarrapadas, tantas curiosidades (fiquei a saber, entretanto, que o Zé dos Cães não é uma alcunha dum homem com histórias para contar mas antes um bordel), tantas, que fiquei a pensar nas lágrimas que hão-de estar por detrás de tanta gargalhada, de tanto dinheiro queimado em falsos e passageiros prazeres, sim, é verdade, nem todos os prazeres são passageiros, e de quem as chorou e chora. mas tudo se paga nesta vida, repetia tanta vez o comprador de afectos, tudo se paga e eu já comecei a abater à dívida. no fim, fez-nos saber que daqui a quinze dias estará no Brasil, esgar de satisfação e - não de derrotado - de vencedor, onde há-de recomeçar: onde há-de recomeçar a acabar-se e a começar fazer a máquina das lágrimas produzir para alguém.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

ordinarices à lá carte

a classe de homens ordinários é aquela onde cabem os que, por hábito e costume, compram a companhia, as conversas, e até o sexo, de mulheres. ora um ordinário aleatoriamente sentado ao lado de uma mulher sem preço há-de sentir-se como um peixe fora de água ou um bacalhau sem todos ou um domingo sem missa ou uma retrete sem água. por outro lado, a mulher sem preço aleatoriamente sentada ao lado do homem ordinário tem a possibilidade de observar tudo isto e de fazer um pequeno diário, mental, de mesa concluindo que há alturas em que mais vale comer de pé e que comer em pé será proteger os ouvidos e a inteligência. em ambos os casos, porém, o arroto será sempre substituído por um, cheio de vontade, foda-se!.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

douradinha aos pedaços

alguém me disse, hoje, ainda agora, que tenho escrito pouco. é uma alegria imensa saber que nos lêem sem deixarem vestígios. e fiquei a pensar que não é nada disso - deixam vestígios, sim, todos os que valem a pena, os vestígios são atitudes, são actividade, são uma espécie de oláeuimportomecontigoecom ospedaçosqueaquivaisdeixando. (obrigada)

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

arrotalidade

o que mais me atrai na ruralidade, além de tudo o que sem boca fala, é a bondade das gentes. apanhei o Senhor Joaquim no  largo e dei-lhe boleia com a mesma confiança com que ele me disse o nome e entrou no meu carro. como se já nos conhecessemos, uma espécie de não risco e de não perigo, pois um risco tem sempre um perigo associado, e pertencessemos ambos à mesma categoria de índole; como se usassemos um qualquer ship invisível apenas visível entre boas, muito boas,  índoles. O Senhor Joaquim, ainda nos oitentas, sabe que da próxima vez que eu passar por aquelas bandas vai receber-me com sol - disse-me onde mora -, salpicão e prosa. e eu vou devolver-lhe a simpatia com o entusiasmo e a brandura de um arroto de almoço, à antiga, de domingo.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

sonhalidade

lá estava ela, a quinta, a casa, os vivos. a lama, porque chovia, o sol, porque depois a chuva passou. em torno, a realidade de um sonho. ou, quem sabe, um sonho a ser tornado realidade.

sábado, 24 de dezembro de 2011

pecadora

nunca esperei, nem espero, celebrar a amizade e o amor com boas palavras, actos nobres e comilanço do bom, num só dia. sou uma esbanjadora de todos os dias e sei bem que esbanjar, dizem, é pecado.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

enfeitar um cesto com tangerinas, ainda com as folhas, apanhadas a frio com as próprias mãos é uma delícia: vêem-se os cimos rasgados, pequena abertura redonda e irregular, que ainda as faz mais perfeitas - levanta-lhes a pele mimosa a ser descascada. a alegria também sabe a tangerina.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

alzheimer

aos noventa anos será expectável que o cérebro não esteja tão fresco como, em dias de vitalidade, antes mas custa muito ver um cérebro descontrolado e esquecido e desgovernado como quando um qualquer electrodoméstico portátil cai ao chão, e a piscar, tamanha é a descoordenação dos botões. chama-se alzheimer.

sábado, 17 de dezembro de 2011

depois de uma grande tempestade em terra, o frio vem mais forte e com sol. e o mar, que ontem estava cinzento e apenas agitado pelas gotas grossas da chuva e do vento, hoje aparece azul mas revolto e até dá dó ver e ouvir a força com que se enrola  na areia - a natureza é assim, solidária, troca uns por outros para dar para todos os gostos e feitios e descurar ninguém.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

música nos pés

epistolografia

sei hoje que é uma paixão tão natural como as assaduras nos tenros triângulos genitais, talvez uns pedissem a chupeta e eu lápis e aguça, as comparações absurdas nascem mais em tardes escuras do que em manhãs claras,e que tudo começa a acabar quando tudo o que se faz, do que não pode deixar de ser feito, é não epistolar.

que video delicioso, viva!; que nojo de música, inhacccc!

origami

ela ainda só tem treze anos e já passa o dia a contar calorias e a escapar-se da comida - é o espelho que lhe diz, a par da memória das palavras da pediatra, que está gorda e que para se fazer uma mulher bonita terá de fazer sobressair os ossos. ontem, comigo, comeu bem e com alegria: talvez precise apenas de muita atenção e de saber, com convicção, que uma mulher bonita é aquela que não vê mercenários de morte, perfeitos inimigos, na comida e que apalpa generosamente, ao espelho, o seu corpo consistente e curvilíneo - o resultado de uma alma forte, naturalmente recortada e dobrada, origami, de escolhas e de quereres.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

hoje é cor-de-rosa. que cor, arroz, amanhã?

cismei, uma cisma pode ser transatlântica e por isso caprichosa, que havia de cozinhar arroz cor-de-rosa. existem corantes alimentares mas optei, por agora, por arranjar outra forma, mais criativa e natural de fazê-lo. experimentei a beterraba e advirto, a quem interessar, que fazer a calda do arroz com a beterraba para lhe depurar a cor dá negativo - é depois de o arroz estar cozinhado que, a par de cozinhar a beterraba noutro recipiente, descascada, triturada, é misturada. o resultado é lindo e completamente... cor-de-rosa! e a alegria de comer multiplica-se, garanto.

mesmo gosto

teixeira?

de repente veio-me à memória - o vir da memória só acontece quando por muito bons, deliciosos, motivos - o sabor do doce da teixeira que eu comia, a mãe comprava sempre, quando havia festa na paróquia. fui ver por onde anda, onde nasceu, e tentar reproduzi-lo. é que só o vir da memória não me consola.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

riquezas

hoje deu-me para pegar outra vez no das memórias das minhas putas tristes, limpá-lo, cheirar-lhe as folhas, e voltar a colocá-lo na estante. talvez eu pense que os livros também precisem, amiúde, de mimo extra. sim, extra, porque o maior mimo que se lhes pode dar é guardar-lhes os vestígios que nos deixam depois das pausas que fazemos a pensar no que, em surdina, nos dizem. riquezas.

confusão

ai que ruído! em vão, gelo, cinzento a pulsar, em torno há um inverno pintado: confusão.

q'alegria

adorei isto que O Curador Digital da Videomusicalidade me deu a fruir:

arena-areia

arena gostosa
pousio
como se espanhola
invertida
de pernas para o ar
onde paz luta com paz
acho definição de lutar
espasmos ininterruptos
algodão
espuma
como faz a areia com o mar

domingo, 11 de dezembro de 2011

previsões

aplaude-se e paga-se muito bem aos pais as doçuras e travessuras - naturais ou encenadas - caseiras dos filhos no you tube da mesma forma que se repudia o trabalho infantil quando vem a lume. imagine-se um puto de três anos, daqui a vinte, numa entrevista a dizer que iniciou a sua actividade profissional aos três quando após os pais o terem filmado a dar um peido numa garrafa terá sido visto por mais de 90 milhões de cliques e ganho, além de videojogos, cerca de 80 mil euros. tenho a certeza que nessa altura será desclassificado do lugar a que concorre por um seu semelhante, CV muito mais interessante, cuja actividade profissional terá tido início, aquando do pai ter filmado aquele momento em que arrancou o bico do mamilo à mãe, aos dois anos de idade.

sábado, 10 de dezembro de 2011

mentalidade de géneros- farinha do Tipo 55

repercebida, há coisas que andamos sempre a perceber na esperança de percebermos coisas diferentes, ainda ontem, de fresco, a mentalidade típica do português fala-barato em matéria de relacionamentos amorosos: ando a cobiçar o saco do pão pendurado na porta da vizinha a ver se lhe roubo, ao dono, dois ou três moletes.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

sobejar

em asfalto de olhar, ergue-se  o que só pode ser um lugar: local onde mora a alma empinada, alegria, sobejar.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

boas notícias

o pássaro azul já pousa e segura a patinha. relaciono as suas grandes melhoras com o facto de o rabo estar em franco crescimento, talvez os rabos estejam para os pássaros como os bigodes para os gatos. talvez, não - de certeza: fui investigar e os rabos, digo antes caudas por ser uma palavra que exige, como se de um vestido de noiva imponente se trate, mais cerimónia, são uma espécie de radar-alarme de perigos e riscos. consoante o rabo cresce, cresce a sua segurança.
não podia, logo pela manhã, saber de melhores notícias.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

quando chegam vêm carregadas de força e qualquer luzinha ténue ou som tímido é motivo de interesse: abrem-se as persianas da alma como se o dia começasse a uma hora qualquer - e começa. o dia começa quando nós queremos que comece ou quando os interesses meios forçados e meios por forçar, como são os que não têm interesse nenhum, acordam numa algibeira manhosa, misteriosa e poderosa, a que chamam insónia. não faço ideia se desceu do latim ou do mandarim, mas quem me dera que rimasse com alecrim, pelo cheiro - não de peixe- de flor, seria forte sinal de deleite, não fossem obrigação dos prazeres serem prolongados, parece-me injusta a palavra, e como diz o outro quem diz que o mundo é justo, mal escolhida se é coisa de gente, inolinda de repente, mas pode bem estar a ser inrodrigo, parece que é mas não pode ser um castigo, só pode ser coisa da mente que pensa que sente e que mente ao pensar: a insónia nem sequer será filha da razão, tampouco do coração, será filha de uma puta qualquer - que deixou escapar os sonhos em troca de uma vigília constante, de engonhos, onde não cabe um único malmequer, onde só cabe o frio do vidro na entrada e na saída. os filhos aos pais, insónia, vai para quem te pariu.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

achada

em redor faz-se luz. está, não perdida, achada no meio do horizonte. seduz.

haver

como é sábio o que diz, ser da terra aprendiz, quem precisa de cidade?, se é por entre as relvas de lã que se escondem os ecos de há.